17 janeiro 2011

Crítica "Desenrola"



Aos 16 anos Priscila (Olívia Torres) se vê pela primeira vez sozinha em casa: a mãe viajou a trabalho e vai passar 20 dias fora. É nesse curto espaço de tempo que sua vida passa por grandes mudanças e diversas “primeiras vezes” acontecem. É também o tempo que ela terá para conquistar Rafa (Kayky Brito), o garoto mais “gostoso” do bairro. O que não será nada fácil. Para concretizar seus planos, Priscila conta com a cumplicidade do seu melhor amigo, Caco (Daniel Passi), e a oposição de Boca (Lucas Salles), um garoto da escola, que inventa uma transa fictícia com Priscila mas que secretamente sonha em tê-la como namorada.

O cinema brasileiro tem identificado vários nichos para atrair o público para  os cinemas. “Desenrola” fala a um público que lota e sempre lotou os cinemas em qualquer tempo: os adolescentes. E faz bonito em sua proposta. Todo mundo teve ou vai ter a sua primeira vez. Esse tema é universal. Quem já passou por isso vai dar boas risadas lembrando-se da sua vez e da inocência que um dia perdemos, do primeiro amor. Quem ainda não teve vai assistir ao filme com outro olhar.

A relação de Boca e Priscila me lembrou um pouco “Grease – nos tempos da brilhantina” (1978). Um clássico com John Travolta e Olivia Newton-John.  O boato do menino que dormiu a menina rola solto. Só que em vez de um número musical, no filme em “Desenrola” a mentira espalha-se no Youtube.

O filme tem muitas referências aos anos 80, da trilha sonora ou figurino. Mas a verdade é que esse tipo de comédia teen falando de sexo teve seu auge nos anos 80. Das mais “pesadas” como “Porky’s” (1982), “Férias do Barulho” (1985) e “O Último Americano Virgem” (1982) e as mais leves e românticas como “A Garota de Rosa-Shocking” (1986), “Gatinhas e gatões” (1984) e o “Clube dos cinco” (1985). Essas referências com certeza devem fazer parte da vida da diretora Rosane Svartman que nasceu em 71. Rosane também dirigiu "Mais uma vez amor" (2005) e "Como ser solteiro" (1998).

O projeto começou com uma pesquisa sobre sexo, e o assunto acabou dando origem à série de documentários “Quando éramos virgens”, transmitida pela TV por assinatura, além de um livro homônimo, editado pela Casa da Palavra. A pesquisa rendeu ainda uma web-série homônima (www.desenrola.com.br).Tanto a série de documentários quanto a web-série serviram de inspiração para o longa-metragem “Desenrola”.

O filme é divertido, leve, moderno, com uma deliciosa trilha sonora e produção de arte caprichada. Não é excepcional, mas pode agradar e muitos.

Desenrola
BRA, 2009, 88 min.

Direção: Rosane Svartman
Roteiro: Rosane Svartman, e Juliana Lins
Com: Olivia Torres, Lucas Salles, Vitor Thiré, Juliana Paiva, Daniel Passi, Thais Botelho, Kayky Brito, Claudia Ohana, Jorge de Sá, Juliana Paes, Letícia Spiller, Marcela Barrozo, Marcello Novaes, Pedro Bial, Roberta Rodrigues, Smigol, Ernesto Piccolo, Heitor Martinez.



Postado por Tais Carvalho

9 comentários:

  1. vou assiti-ló amnha!!!

    Blog do Charque
    O melhor blog do meu .... Bairro!!!!
    http://blogdocharque.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Seguindo
    http://jeitomeninadeser.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. nunca assisti o filme, mas fiquei curiosa (;

    vou seguir aqui, tá?
    ;*

    http://projetandorascunhos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. A fita deve ir bem nos cinemas, contudo não é mais o tipo de filme que eu veria no cinema. É um filme que se um dia acontecer d'eu assistir será numa sessão dessas tarde da noite em um canal de tv qualquer..

    Abs,

    ResponderExcluir
  5. Olá! No momento estou apenas te seguindo, mas prometo voltar e comentar em breve suas postagens!Agradeceria se seguisse o meu blog, assim criamos um vínculo que facilite a divulgação de ambos os blogs! passa lá?
    http://medicinepractises.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá, aqui é a Rosane, diretora do filme. Adorei ler a crítica. Claro que os filmes anos 80 são uma referência, os estrangeiros e brasileiros também (os do Calmon, Brock, etc.). Até porque eu era adolescente naquela época. Acho que recentemente temos visto vários realizadores se esforçando para retratar essa faixa etária. E aos poucos, creio que estamos construindo uma referência brasileira para esse público também, teoricamente, o grande público do cinema mundial. A ver. Beijos

    ResponderExcluir
  7. Obrigada pelos comentários. Quem resolver ver o filme como o "Blog do Charque" não vai se arrepender.

    Obrigada a diretora do filme pelo comentário. Fiquei em estado de choque em imaginar Rosane Svartman lendo meu humilde blog. Fica a dica da diretora dos filmes do Calmon e os filmes Brock como "Bete balanço".

    Abs

    ResponderExcluir
  8. Ótima crítica, sem detonar o filme, imparcial.
    Adoro cinema e adoro mais ainda críticas que me fazem ter interesse pelo filme mesmo sendo ruim.
    E que moral ter a diretora do filme nos comentários!

    ResponderExcluir
  9. Billy - DESENROLA é uma grande sacada, uma história simples, bem dosada e imterpretada por EXCELENTES jovens atores que fazem com suas interpretações um show. Fico orgulhoso de ver novos valores brilharem tanto, Olivia Torres faz uma Priscila suave e ingenua como a maioria das adolescentes, Lucas Sales arrebenta no papel de BOCA, muito bom, Victor Thire da vida ao AMARAL, com muito humor e carisma, Juliana Paiva interpreta TIZE a gatinha do colégio que acaba vivendo o drama da gravidez na hora errada, passou emoção e muita sensibilidade, Jorge Sá e Kaique Brito dão charme aos seus personagens. Vale a pena conferir. MUITO BOM !!!!!

    ResponderExcluir

O maior prazer que um blogueiro é receber um comentário bacana. Não precisa puxar o saco se você não gostou, mas deixe seu ponto de vista numa boa. Comente, opine com respeito e fiquei a vontade para deixar o link do seu blog ou página! Abraços e volte sempre!

 
Click Jogos Online Resultado Loterias